#{CONTENT_TITLE}

A Azeitona

  • A Azeitona

    Olival

  • A Azeitona

    Vibrador com apanha-frutos incorporado

  • A Azeitona

    Adubo para olival

  • A Azeitona

    Adubo para olival

  • A Azeitona

    Adubo para olival

  • A Azeitona

    O fruto da oliveira transforma-se num saudável petisco tipicamente português.

  • A Azeitona

    Azeitona Cobrançosa

  • A Azeitona

    Azeitona em oliveira

  • A Azeitona

    Oliveira em regadio

  • A Azeitona

    Apanha mecanizada da azeitona

  • A Azeitona

    Barragem do Azibo

  • A Azeitona

    Lagoa da Belavista em Talhinhas

  • A Azeitona

    Olival em Paradela

A azeitona é cultivada há mais de 8 mil anos e é um fruto cheio de história e mitos. Segundo a Bíblia, este fruto ia na bagagem dos reis magos quando visitaram Jesus. Durante as guerras, os antigos gregos queimavam as oliveiras dos inimigos para matá-los à fome. O azeite foi um dos produtos controlados pela máfia americana nos anos 20. É impressionante a quantidade de História, Economia, Geografia, saúde e culinária contida num pequeno caroço. Nas terras da Sá Morais Castro, existem duas variedades de azeitona, a Cobrançosa e a Verdeal.

COBRANÇOSA

Fruto médio, elipsoidal, diâmetro máximo meio do fruto, forma basal truncada vértice saliente, cavidade peduncular pequena; Epicarpo avermelhado na viragem e vermelho escuro ou negro na maturação, mesocarpo de consistência rija, aderente ao caroço. Endocarpo grande, elipsoidal, forma apical ponteaguda, superfície rugosa.O azeite da Cobrançosa é equilibrado, levemente frutado. Quando as azeitonas são colhidas mais verdes, o azeite é subtilmente amargo e picante Quando os frutos são colhidos mais maduros, o azeite torna-se mais doce e suave. Tem notas acentuadas a erva verde, maçã verde e amêndoa. O azeite deste tipo de azeitona é rico em polifenóis, e por isso resistente à oxidação.

VERDEAL TRANSMONTANA

Fruto médio, elipsoidal, diâmetro máximo meio do fruto, forma basal truncada ou arredondada, vértice saliente ou com mamilo, cavidade peduncular pequena; Epicarpo avermelhado na viragem e avermelhado ou vermelho escuro na maturação, mesocarpo de consistência rija, aderente ao caroço. Endocarpo médio, obovóide, forma apical arredondada, superfície rugosa. Variedade vigorosa com grande volume de copa. Os frutos são de cor verde intensa que evoluem para a cor arroxeada e o caroço é assimétrico. Adapta-se a solos húmidos. Adapta-se regularmente à colheita com vibrador de troncos. O seu azeites tem um frutado marcado, persistente, com verde folha e muito amargos e picantes.

Fonte: Albino António Bento & José Alberto Pereira, Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Bragança

Olival

A oliveira é uma árvore ancestral, originária dos solos pedregosos da Ásia Menor. O seu cultivo racional remonta ao período helénico, provavelmente na ilha de Creta (3.500 a.c.), tendo sido introduzido na Península Ibérica durante o domínio árabe. A oliveira vai bem em quase todos os tipos de solo, embora prefira os de textura moderadamente fina, ricos em calcário, com boa profundidade e bem drenados. A oliveira necessita de uma alimentação equilibrada, sendo particularmente sensível à falta de azoto, potássio e cálcio. Se tivermos em atenção que tem de haver crescimentos anuais para haver produção, é imprescindível que o olival seja adubado anualmente, socorrendo-nos, para o efeito das análises de solo e/ou foliares, por forma a melhor se conhecerem as necessidades do solo. A Sá Morais Castro segue as indicações de plantar 200 e 300 árvores/ha, tendo as linhas entre si 7m. A rega permite um aumento substancial da produção. Sendo a água necessária durante o cicio anual, há dois períodos críticos; o primeiro na fase de desenvolvimento do caroço - em primaveras secas endurece, não aumenta de tamanho e condiciona o desenvolvimento do fruto - e o segundo ocorre com o desenvolvimento da polpa; os frutos enrugam e o conteúdo em azeite pode diminuir consideravelmente. Na Sá Morais Castro, o regadio é por gota a gota, recorrendo a lagoas e barragens. A apanha da azeitona corre entre Novembro e Fevereiro, quando a azeitona está a ficar roxa. A azeitona é então limpa no olival para não transmitir defeitos, ficando os resíduos a enriquecer o solo. A apanha é mecanizada através de vibradores instalados em tratores: dois vibradores com apanha frutos e um sem apanha frutos.

VEJA VIDEO DA APANHA MECANIZADA

 

A Sá Morais Castro foi premiada no Rural.mov no âmbito da seleção e promoção dos melhores projetos de investigação e desenvolvimento empresarial financiados pelo ProDeR no âmbito da Medida 1.1.1.

VEJA AQUI O FILME.

Sabia que...

A oliveira é cultivada há mais de 8.000 anos?

Sabia que...

Existem mais de 400 espécies de oliveira, mas a única que produz os frutos e os óleos que consumimos é da espécie Olea Europaea?

Sabia que...

Uma oliveira é capaz de viver mais de mil anos?

Sabia que...

A azeitona é uma fruta, ou uma drupa (um tipo de fruto carnoso e com um caroço no centro)?

Sabia que...

Todas as azeitonas são verdes, ficando negras com a maturação?

Sabia que...

As palavras azeite e azeitona vieram do árabe?

Sabia que...

Para extrair um litro de azeite são necessários de cinco a seis quilos de azeitona? 

Sabia que...

O azeite virgem é extraído por métodos físicos e não químicos, possuindo entre 1% e 2% de uma substância chamada de ácido oleico. Se essa concentração fôr inferior ou igual a 1%, o azeite é chamado de extravirgem?

Sabia que...

Alguns povos pré-mesopotâmicos costumavam untar seus corpos com azeite para se protegerem do frio?

Sabia que...

Na Grécia Antiga, as mulheres usavam azeite como protetor solar, alisador de cabelos e aromatizante da pele?